Menu

The Blogging of Holdt 102

webdevidamelhorja06's blog

Listagem De Protagonistas De Soy Luna


COMO Acrescentar O TRÁFEGO DO Blog SEM Utilizar S.e.o. (search engine optimization)


‘Sei que o mundo pesa muitos quilos. E eu irei guardar meus grilos’. O ufanismo da mídia na Copa. Tão feio, tão fingido, tão antigo… Os pachecões nunca aprendem, nem sequer sentem-se arrrependidos. Existe um amplo negócio em jogo, a toda a hora. Por trás dos gols, do gramado verde, das linhas do jogo.


Os assassinos de Mariele continuam soltos. Impunes. Lula, mesmo confinado, lidera as pesquisas pra presidente. Sem ele, o líder é ‘nenhum dos candidatos’. No entanto ‘mande pra Globo um vídeo descrevendo que Brasil você deseja’. Claro, um ‘Novo Brasil’, sem ‘os petralhas’ no páreo. Como esse Brasilzão de sem demora, por quem as panelas não batem. ‘E já assista aos melhores momentos das votações do STF : Sensacional noite Bonner, bacana noite Renata, bacana noite a todos : Muito obrigado pelas suas informações’.


  1. Seis de abril de 2011 - 01:Trinta e quatro

  2. Acesso a ferramentas e recursos profissionais

  3. O italiano é uma língua acessível de compreender

  4. Crie listas: Dez dicas pra localizar teu apartamento

  5. Quebre os ovos separadamente

  6. 27/10/2010 às 10:28

  7. Há quanto tempo estão ativos

  8. Terceirização de mão de obra



  9. Gente muito educada trabalha desse ‘novo-jornalismo’ em que a pergunta prontamente vem com a resposta dada. Sempre que os juízes se desentendem (já que não tem VAR no STF?), ‘Sempre pela garagem’, diz Temer a Joesley. ‘Tem que manter isto, viu? ’, diz Galvão. Ronaldo Fenômeno estampou na camiseta verde-amarela: ‘a responsabilidade não é minha, eu votei no Aécio’. Neymar, se sentindo perseguido, chora para as câmeras do universo suas lágrimas nem sequer um pingo solidárias: ‘As coisas nunca foram fáceis para mim’.


    Quem sabe seja pelo peso da camisa amarelinha. Contudo não, não é pelo piá brasileiro de quatrorze anos morto por engano no Complexo da Maré. ‘Mãe, o policial do blindado não viu que eu estava com roupa de instituição e atirou’. Com sua camisa ensanguentada nas mãos, a mãe afirmou: ‘Essa é a bandeira do meu filho, é com ela que eu vou fazer justiça’.


    Um morador do prédio que caiu no Largo do Paiçandu ‘entrevistado’, considerou: ‘o que eu ganho torcendo pela ‘nossa seleção’? ‘Ame-o ou deixe-o’, eu me lembro, eu prontamente conheço esse refrão… ‘Você vai enxergar como é que estão as coisas… Entendo que o mundo pesa diversos quilos. Vou guardar meus grilos.


    Se o mundo pesa, não vai ser de reza que eu irei viver. Amanheça aqui comigo, meu bem. Sou seu amigo, você vai ver’. “Afinal o que aconteceu? Deixando o som de toda nossa vida silenciar? Nesse findi tive o prazer de ver ao show do cantor e compositor Paulinho Moska, no Sesc Pinheiros.


    O artista comemorou vinte e cinco anos de carreira solo e apresentou o single/clipe “Minha Lágrima Salta”, primeiro do álbum de inéditas a ser lançado em setembro (a música agora está nas plataformas digitais). Fotografias, cujo tamanho varia de 2 a sete metros, expostas em cinco fachadas dos edifícios das ocupações da Frente de Competição por Residência (FLM). As imagens realizam fração do fotolivro chamado Plano, seco e pontiagudo” (co-edição/Editora Ipsis e Editora Madalena, 80 páginas), de Mônica Zarattini. A fotógrafa Mônica Zarattini (jornalista querida, carinhosamente apelidada de Zara) lançou pouco tempo atrás o fotolivro Plano, seco e pontiagudo. Ela viajou em 1989 e 2016 para o sertão da Bahia, pela localidade onde aconteceu a Briga de Canudos, há 120 anos.


    A primeira vez, realizou uma reportagem sobre o assunto os oitenta anos da morte de Euclides da Cunha, e, pela época, fotografou em preto e branco, com filme TRI-X, sistema analógico. Repetiu a mesma rota em 2016 e reencontrou 5 pessoas que se emocionaram muito ao entrar em contato com tuas imagens de vinte e sete anos atrás.


    Dessa vez, projetou as fotografias antigas nas pessoas reencontradas e as fotografou de novo, só que em imagens coloridas e no sistema digital. Levou consigo três rolos de filmes infrareds, os quais ficaram por vinte e sete anos guardados na geladeira e com eles produziu paisagens. O fotolivro “Plano, seco e pontiagudo” (co-edição/Editora Ipsis e Editora Madalena, 80 páginas) é fruto desses 2 ensaios. A tiragem é de quatrocentos exemplares, numerados e assinados.

Go Back

Comment

Blog Search

Comments

There are currently no blog comments.